Review - Junjou Romantica

11:01 AM Lorena Miyuki 1 Comentários

Primeira resenha que faço de anime, e resolvi começar com JR porque tem tudo a ver com o site, afinal.
Além disso, estava para ver desde que saiu, mas só agora tive tempo suficiente. Na época eu estava vendo Antique Bakery, que, alias, também merece uma resenha, mas fica pra outra hora....


Junjou Romantica, em japonês: 純情ロマンチカ  (Junjō Romanchika) comumente traduzido ao português/inglês como "Puro Romance", é uma série yaoi de Nakamura Shungiku. O foco da história fica com três casais. Temos, portanto, três linhas de histórias diferentes: o casal principal, que dá nome à série e cujo foco normalmente é maior; e outros dois casais que protagonizam as histórias secundárias, chamadas no mangá de Junjou Egoist e Junjou Terrorist. Junjou Romantica hoje tem vários "cds-dramas", uma série de mangá que (pelo que me consta) ainda está em publicação, uma série de novela e um anime de duas temporadas, 24 episódios compilados em DVDs e lançados em 2008.

Junjou Romantica, Egoist e Terrorist

A diferenciação por nomes só é percebida no mangá, mas o anime aborda os três casais de forma bastante separada.

Junjou Romantica - Misaki e Usami
O Junjou Romantica se refere ao casal Usami e Misaki, sendo o primeiro um novelista de histórias BL (boys love) famosíssimo e, o segundo, o irmão menor do seu então melhor amigo, que está estudando para entrar em uma universidade. A história começa quando Misaki acaba indo morar com Usami após o casamento de seu irmão - e Usami se esforça para que suas investidas finalmente se concretizem. Os dois formam o casal central, protagonizam diversos tipos de cena e, dentre muitas, as de longe mais engraçadas. Misaki é um adolescente e Usami tem 28 anos, a diferença de temperamento, idade e comportamento dos dois os leva a inúmeras reflexões sobre o relacionamento.







Junjou Egoist - Nowaki e Hiroki
Junjou Egoist conta a história de Hiroki e Nowaki, sendo o primeiro um professor universitário substituto e pesquisador no campo da literatura, e o segundo um órfão que decide estudar medicina pediátrica e, por isso, pede ajuda ao primeiro. Pelo menos no anime, a história dos dois só começa a se desvendar mesmo depois da segunda aparição do casal. O episódio introdutório, por assim dizer, é bastante curto para a apresentação de duas histórias tão diferentes. Particularmente, porém, é o casal que eu mais gostei. Só é meio confuso de se lidar com o tempo entre as histórias, pois, inevitavel e estranhamente, todas elas se cruzam.






Junjou Terrorist - Miyagi e Shinobu
Junjou Terrorist foca no casal Miyagi e Shinobu, sendo o primeiro chefe de Hiroki e do departamento de literatura da faculdade e, o segundo, o estudando colegial filho do diretor da faculdade e, de quebra, irmão mais novo de sua ex-esposa. Na primeira temporada do anime, esse casal é deixado e lado, tendo somente dois episódios-foco. Pelo que sei, no mangá também é assim. A história dos dois se desenvolve como pano de fundo de todas as outras duas, já que elas se conectam. E é um pouco diferente, pois Shinobu tem uma personalidade bastante rígida, digamos, e acredita no "destino" que o uniu ao ex-marido de sua irmã. Miyagi também não é um personagem fácil de se lidar, aliás.

Junjou Minimum e Junjou Mistake
Essas duas são histórias mais curtas que têm mais espaço no mangá. A primeira, Minimum,conta os fatos da infância de Usami e Hiroki juntos e, no anime, explica bastante coisa, tendo alguns episódios-foco entre os casais principais. A Mistake fala do envolvimento entre Isaka, o editor-chefe de Usami, e seu assistente Asahina Kaworu, 10 anos antes do início da série.



Primeira e Segunda Temporada
O anime é bem curtinho, mas consegue se fechar bem.
A primeira temporada tem doze episódios e conta o início da vida de todos os casais, com brechas que explicam o passado de alguns, mas deixando tudo muito no ar. É uma temporada introdutória que, a meu ver, sem a segunda seria bastante solta. Os episódios, porém, começam e terminam em si mesmos. Como eles são intercalados entre os casais, acho que esse objetivo foi necessário. Quando dependem de continuação, ela está no episódio seguinte, o que deixa quem assiste com mais noção da trama.
O fato de os episódios serem intercalados entre os casais, também, deixa a história mais confortável, menos rotineira. Afinal, há bastante coisa para se contar de um casal, mas muito mais de três, o que não deixa as coisas monótonas. É um pouco estranho, para quem está acostumado ver um anime sequencial, digamos, mas nada assustador.
A diferença, creio, das temporadas está no foco. A segunda temporada foca mais no casal principal e nela também somos apresentados a outros personagens secundários que agitam mais a trama (a família de Usami, por exemplo).

Entrelaçando as Tramas
Como comentei, a princípio creio que a gente não nota, mas todas as tramas estão ligadas entre si.
Se vocês não querem SPOILERS, não leiam essa parte.

Misaki é irmão de Takahiro, que era melhor amigo de Usami. Usami passa a "cuidar" de Misaki depois que o irmão se casa - aí o primeiro casal se forma.
Porém, Usami é amigo de infância de Hiroki, que é apaixonado por literatura e, por isso, virou pesquisador-professor da universidade. Hiroki incentiva Usami a escrever, e este, afinal, se torna famoso por esse incentivo inicial.
Hiroki trabalha no mesmo departamento que Miyagi e este, aliás, é seu chefe. Além disso, Hiroki também acaba se tornando o professor de Misaki, sem saber, entretanto, sobre a ligação do garoto a Usami. Alias, Hiroki era apaixonado por Usami quando era mais novo e só se desligou dele quando conheceu Nowaki.
Nowaki trabalha em uma floricultura e vários vezes vemos Misaki comprando flores neste local. Nowaki também acaba conhecendo Usami, por quem nutre ciúme.
A complicação dos personagens vai além quando somos introduzidos a Miyagi e seu "drama familiar": o irmão mais novo da ex-esposa se apaixona por ele -  e ele também é filho de seu chefe (e do chefe de Hiroki).

O anime
Não posso falar muito sobre a adaptação, já que nunca li o mangá (apesar de querer bastante), mas, pelo que vi, a trama se desenvolve e fecha perfeitamente. É claro que os fãs e os mais entusiasmados vão dizer que havia espaço (e história) para que mais coisa pudesse ser desenvolvida, mas não havia necessidade. Se prolongassem demais, talvez perdesse a graça - e como os japoneses vivem constantemente com coisas novas, talvez Junjou tenha se saído bem com o curto número de episódios que teve. Foi bom, e foi suficiente - nada mais que isso.

Curiosidades: o anime tem pouquíssimos personagens secundários - poucos mesmo, em torno de sete, oito. A história se desenrola somente entre os casais principais, o que poderia ser massante, mas acaba não sendo por causa, talvez, da intrudução desses personagens e da "bagunça" que eles fazem na trama principal.
Não sei em relação ao mangá, mas o anime mostra diferentes hobbies e bichinhos fofos que "interagem" com os personagens. Usami, por exemplo, coleciona ursinhos de pelúcia. Seu pai, por outro lado, é aficionado por patinhos de borracha e esculturas de ursos em madeira. As aberturas e encerramentos são recheadas desses bichinhos - e estas, alias, são um espetáculo de cores e purpurinas à parte.

Confesso que o começo não me empolgava muito pelo enredo um pouco clichê e pelo personagem do Misaki (que não me conquistou muito, de fato). Mas vi o anime todo em dois dias (aproveitando-me de uma enfermidade que me deixou de cama nesse tempo) e gostei bastante. Não é cansativo, pelo contrário. é delicado, engraçado e instigante na medida certa. O character-design, o traço do desenho é muito bonito e a qualidade é impecável, além de ser muito fofo. Enfim,  é superficial e meio bobinho em certos aspectos sim, mas isso não exclui o fato de ter tudo o que um anime yaoi tem e precisa.

Recomendo, principalmente pra quem é órfão de Antique Bakery, como eu sou. A linha de pensamento dos dois, apesar das singularidades, chega a ser similar.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...