Review - Total Eclipse

12:01 PM Lorena Miyuki 3 Comentários


Amor, escritores e Leonardo DiCaprio.


Diretor: Agnieszka Holland
Idioma: inglês
Gênero: drama. 
Sinopse: Com base em cartas e poemas, o filme apresenta a história de um relacionamento entre dois poetas do século XIX na França, Paul Verlaine e Arthur Rimbaud. Baseado em fatos reais.

O filme é de 1995.

No Brasil, foi lançado com o nome de "Eclipse de Uma Paixão".

Faz um tempo que eu assisti, mas continuo com a mesma impressão: é uma poesia em forma de imagem.

A história é sobre Verlaine e Rimbaud - se vocês conhecem um pouco de literatura, sabe quem eles são. A maior parte da película foi baseada nas cartas trocadas entre os dois e posteriormente publicadas/encontradas.

Verlaine é um poeta de relativamente reconhecimento, casado, mora com a família rica da esposa, porém não sente atração pela mesma - a palavra é entediado, na verdade. Verlaine se sente entediado. Até receber uma carta de Rimbaud, na época um jovem de 16 anos, que se mostra extremamente criativo, um prodígio. Verlaine encontra nele a inspiração que procurava, a libertação na loucura de Rimbaud - porque ele é uma mente perturbada, que acaba levando os dois a um relacionamento violento e destrutivo.

A esposa de Verlaine é  uma personagem agoniante nessa trama, vendo tudo acontecer de camarote, sendo deixada de lado, revivendo das cinzas para tramar contra o relacionamento dos dois. Ela consegue fazer com que Verlaine seja condenado por sodomia depois de atirar em Rimbaud, que parte para uma viagem meio sem destino.
É um produção com cara hollywoodiana, que envolveu três países e uma equipe profissional: Reino Unido, França e Bélgica. É mais que justo dizer que o filme é maravilhoso, as atuações são de dar agonia e as cartas são lindas. DiCaprio como Rimbaud é digno dos exageros, dos vícios e da violência que o filme precisa.

O final desse filme é poeticamente lindo. Pra quem escreve e/ou gosta de literatura, é um prato cheio de subjetivismo e metáforas. Me identifiquei tanto com o Rimbaud do DiCaprio que até me assustei. Mas, enfim, não é o que dizem? Que todos os artistas são loucos?

O roteiro foi muito bem adaptado para incorporar a ideia das cartas, dos poemas e reconstruir a relação dos dois. Os diálogos, então? É como se os conhecêssemos de verdade.

Mais que recomendado, é obrigatório.



3 comentários:

  1. "é uma poesia em forma de imagem." — SIM! SIM! ♥

    Eu sou absolutamente louco por esse filme. Eu sempre via cenas dele na infância, na época em que o Leo estourou, mas 8D eu nem fazia idéia de como achar um filme desse. Demorei pra assistir, e felizmente assisti na época em que eu mais pude me identificar. É o tipo de filme que me dá aquela sensação de "eu escreveria", que "Leo é tipo meus personagens" (só que melhor, porque é o Leo).

    Mas, enfim, eu acho que a interpretação dele é fantástica! Embora o Leo seja sempre fantástico, eu adoro essa em particular, e como ele sabia ser um ator tão foda desde muito novinho.

    Perdão, me empolguei vendo você fazer resenha desse filme. lol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. DISSE TUDO <3
      Leo, melhor interpretação.
      E eu me identifiquei tanto que fiquei até com medo!!

      Excluir
    2. Esse filme é tão inspirador que eu lembro que logo depois de assistir eu fui fazer um conto. XD

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...