Review - Quinze Dias

12:18 PM Lorena Miyuki 0 Comentários

Lançamento de literatura nacional muito amorzinho!



Título: Quinze Dias
Autor: Vitor Martins
Idioma: português
Ano de Publicação e Editora: 2017, Globo Alt.

Felipe está esperando esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai botar em prática. Mas as coisas fogem um pouquinho do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele não voltam de uma viagem. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho. Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.


Quero começar essa resenha dizendo que eu acompanho o Vitor (o autor) há um tempo nas redes sociais aleatórias por aí e primeiramente foi por causa das ilustrações - eu amo as ilustrações do Vitor! - e segundamente porque concordo com muitas das coisas que ele fala e como ele fala. E isso é importante aqui, já vou explicar o motivo...

Pois bem. Em "Quinze Dias" acompanhamos o drama do Felipe, um garoto de dezessete anos cheio de inseguranças. Não por ele ser gay, porque isso não parece ser muito o problema (ainda bem!), mas sim pela sua aparência "fora do padrão": Felipe é gordo. E isso é a base de todas as suas dificuldades: na escola ele é atormentado pelos colegas, é constantemente atacado (verbal e fisicamente), e frequenta terapia por todos os problemas com ansiedade e insegurança que sua forma física lhe causa.

Ah, Felipe tem uma quedinha por um de seus vizinhos, mas mal consegue olhar pra ele no elevador quando se esbarram de manhã antes da escola. E Felipe não sabe, não até o último momento, que Caio vai passar as férias de julho com ele. Na sua casa. E Caio tem o corpo perfeito, é provavelmente o garoto mais lindo que Felipe conhece, e ele não faz a menor ideia de como vai conseguir sobreviver a esses quinze dias.

Bem, o título do livro é meio auto-explicativo: os capítulos são divididos em dias, os quinze dias que Caio passa na casa de Felipe durante as férias. Em primeira pessoa, tudo o que o Felipe conta é muito, muito nítido. Ele é o tipo de narrador que conversa com a gente, sabe? Cheio de ironias e piadinhas e segredinhos com o leitor. Esse é o tipo de escrita que (talvez) mais me prende e me conquista porque me sinto íntima de todos os personagens: mesmo na visão do Felipe, todo mundo tem sua personalidade bem definida e elaborada. Uma construção impecável. A mãe do Felipe é uma pessoa inimaginável de tão legal; o Caio vai sendo desvendado aos pouquinhos mesmo, e a gente acompanha tudo pelo lado do narrador, descobrindo com ele todos os detalhes da história.

Alguns personagens secundários são muito importantes para o pano de fundo geral da trama: a ONG onde a mãe do Felipe trabalha, as crianças de lá, os meninos responsáveis por fazer da vida do Felipe um inferno na escola, a avó (falecida) dele que tem um papel bem importante também, apesar de não ser personagem ativa... E temos as amigas do Caio, a Rebeca e a Melissa que obviamente fiquei apaixonada pelo casal! Me identifiquei horrores com a Beca, as falas dela são de extrema importância não só para a vida do Felipe, mas acho que pra todo mundo porque ela representa diversas minorias oprimidas de uma vez só ("mulher, gorda, negra e lésbica"... ops, acho que isso pode ser um spoiler). Dá vontade de escrever nos muros das cidades por aí, pra todo mundo ler o tempo todo.

O livro traz, ainda que de maneira engraçada e menos sofrida, digamos, assuntos muito relevantes e sérios, como ansiedade, bullying, gordofobia e homofobia. Arrisco a dizer que é uma terapia em forma de texto, porque a maior parte das inseguranças de Felipe vem por causa do seu peso e ele dá uma aula de empatia a cada parágrafo, lições sobre preconceito que são verdadeiros tapas na cara da gente. Ele é muito maduro, mas ao mesmo tempo passa isso de maneira clara e realista para o leitor, de forma que fica sendo uma leitura fácil e prazerosa sempre - e ainda arrisco a dizer que é até didático e seria um ótimo livro pra ser trabalhado em sala de aula. Eu tô sempre pensando nesse aspecto porque os temas abordados e como eles são abordados têm fundamental importância na formação de jovens empáticos e menos preconceituosos, sabe? Seria leitura obrigatória nas minhas aulas se eu desse alguma aula do tipo. E, na minha adolescência, teria sido meu livro de cabeceira porque o Felipe teria me ajudado muito em muitas crises sobre meu corpo - já fui obesa e isso também influenciou (e influencia) muito quem sou hoje.

De certo modo, algumas partes me lembraram o livro do Danilo (Leonardi), "Por que Indiana, João?", que eu também adorei, mas que não fiz resenha aqui (tem no skoob, porém). Aliás, bastante coisa que tem no livro do Danilo tem nesse livro do Vitor também, mas os personagens são completamente diferentes. São maneiras quase que avessas de se abordar o mesmo assunto e ainda assim transmitem um aprendizado valioso no processo.

Eu disse no começo da resenha que acompanho o Vitor há um tempo. Não costumo assistir muitas coisas dele no youtube (porque tenho problemas com o youtube, não tentem entender), e não gosto de rotulá-lo como "youtuber" (nem esse livro como "livro de youtuber" porque aí o preconceito já começa, né), MAS eu sei como o Vitor fala. Sei como o Vitor escreve porque é isso o que leio todo dia pelo twitter, pelo blog, etc. E eu tive uma extrema dificuldade de separar o autor do personagem: o Vitor e o Felipe parecem A MESMA PESSOA. Em certo ponto, não vou saber dizer qual, dá pra diferenciá-los, mas no começo era como se eu estivesse lendo o próprio Vitor! Porque a escrita que ele transpôs pro personagem do Felipe é quase idêntica ao jeito que o Vitor fala de si, fala das coisas da sua vida no twitter, por exemplo. Por um lado isso é péssimo: o livro não é uma auto-biografia (né? Eu acho, apesar das semelhanças com a realidade, digamos) e, apesar de ser muito comum a gente querer transpor pra história do personagem partes da nossa própria história (eu faço isso o tempo todo, às vezes sem perceber), acho que é importante separar as coisas. Ponderar, sabe? Porque, veja bem, se você gostar do Vitor (dele mesmo, como pessoa que você "conheça" através das redes sociais), você vai amar o livro. Mas se você não gostar, pode ser que a leitura não te agrade. E isso não deveria estar atrelado, né? Gostar do autor e gostar do livro dele não deveriam ser coisas "acorrentadas"; posso gostar do livro e não necessariamente da pessoa que o escrever, e vice-versa. Enfim! Deu pra entender o que eu quero dizer? Espero que sim. E só quero deixar claro que isso não é de todo ruim aqui (pra mim) porque eu gosto do Vitor e gostei do Felipe, ponto.

O livro é muito curtinho, tem pouco mais que 200 páginas. Achei que poderíamos acrescentar, sem pecar no conteúdo ou na fluidez da leitura, umas boas 50 páginas a mais (sério), pra fechar algumas partes que ficaram bastante abertas. Algumas perguntas são deixadas no ar: e os valentões? Como Felipe vai enfrentá-los depois na escola, sozinho? E as crianças da ONG, foi só aquilo e pronto? E os pais do Caio? E como fica o relacionamento dos dois protagonistas? E o Caio terminou ou não de ler As Duas Torres??? (sim, isso é importante pra mim)

E eu espero que não tenha uma continuação, sério, porque estragaria a originalidade do texto.

Também fiquei um tico decepcionada que a história do flamingo (presente na capa e em tudo quanto é coisa que vejo de divulgação desse livro) é super passageira e rápida e poderia ter sido retomada depois. Mas aí sou só eu sendo perfeccionista mesmo. Mas que cabia, cabia, tá?

Comecei a ler em e-book, mas tive que comprar a versão física porque as ilustrações me ganharam - se você tem a versão física, dá uma olhadinha na parte de baixo da orelha da contra capa, faz o favor.
poster de divulgação com alguns elementos da vida do Felipe nos seus quinze dias com o Caio.
Eu estou ~apaixonada~.

O final é aberto, mas é redondo o suficiente, eu acho. Foi legal perceber que, recapitulando os quinze dias com o Felipe e o Caio através das pesquisas do Google de ambos (sim, isso mesmo, uma da melhores partes do livro, acrescento. Além da lista com os nomes dos gatos), dá pra enxergar direitinho o outro lado da história, encaixar as lacunas de algumas cenas que víamos somente do ponto de vista do narrador. Isso eu achei tão bem feito, tão bonitinho que fiquei me sentindo orgulhosa (?) por motivo nenhum, gritando mentalmente coisas do tipo: isso, é assim que se faz! Olha que jeito maravilhosamente sutil e bem escrito de recapitular a mesma história de pontos de vista diferente! Mesmo o narrador sendo em primeira pessoa! E com isso eu também quero dizer que consigo perceber muito como o texto foi lapidado, sabe? Foi todo moldado, cuidado, tanto pelo autor quanto pelos revisores, eu acho, porque ficou muito gostoso de ler sem pecar na qualidade da escrita.

Tô aplaudindo de pé mesmo porque "Quinze Dias" me tirou de uma ressaca literária TÃO GRANDE  (tanto que nem fiz postagem dos "10 melhores livros que li esse ano até agora" porque, adivinha, EU NÃO CONSEGUI LER NEM DEZ LIVROS AINDA!) e me deixou tão empolgada que eu até voltei a trabalhar no meu próximo livro. Acho que era exatamente o que eu estava precisando nesse momento: uma leitura leve, rápida e cheia de carinho.

Por favor, espalhem esse amorzinho por aí.

ps.: meu novo hobby é chorar lendo agradecimentos.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...