Review - A Fantástica Literatura Queer Vol. Verde

8:45 PM Lorena Miyuki 0 Comentários



Primeira resenha do ano, não podia ser diferente!

Pra quem ainda não ouviu falar, o que deve ser bem pouca gente, ano passado, em novembro, foi lançado o volume verde da coletânea de contos sobre diversidade da Tarja Editorial. A Fantástica Literatura Queer Volume Verde, que tem um conto meu, demorou um bocado pra aterrissar nas minhas mãos, mas finalmente chegou e li rapidinho, morrendo de curiosidade.






E confesso também que, sim, eu tive altas expectativas sobre esse livro. Por isso fiquei com aquela sensação de....
Digo, até meu conto parece sem pé nem cabeça se for lido por alguém que não conhece a "história por detrás" - porque sempre existe uma, convenhamos.

Mas vamos lá. Lembrando que está é uma análise crítica. E eu sou a pessoa mais crítica e chata da face da Terra. Desculpas antecipadas se magoar os sentimentos de alguém, principalmente dos autores companheiros de livro, mas todo mundo sabe que é mais forte que eu.

Lembrando que pode conter spoilers.

Os contos


O Príncipe dos Rios – Lucas Zavagli

De longe o conto mais bonito do livro! Amei intensamente.
A ideia não foi original, convenhamos, mas a escrita do Lucas é linda. Muito linda.
Sou apaixonada por mitologia e foi só mais um detalhe pro conto cair no meu gosto facilmente. Gostei da pequena "reviravolta" que houve no meio e adorei ainda mais as descobertas que somos obrigados a encarar no decorrer do enredo. E o fim casou totalmente com toda a trama. Li o conto duas vezes, na segunda com outros olhos e com os conhecimentos que já tinha da primeira leitura. Fiquei literalmente procurando coisas nas entrelinhas que não tinha visto e, olha, aplaudo você de pé, Lucas. Parabéns!

Ema Villari – Fernando Salvaterra
A história de uma artista famosa que é caçada por, err, exterminadores de homossexuais? Achei o desfecho melhor que o começo e o meio, mas a ideia me pareceu meio vaga sem um contexto mais profundo, sabe? Um pano de fundo mais denso, não sei.

Morte na Linha Vermelha – Celeste Baumann
Gostei muito desse, achei o personagem principal bastante "palpável", se é que isso é possível. Gostei do enredo e do desenvolvimento, as motivações dos fatos também foram explicadas só nos detalhes necessários, o que deixou um gostinho de suspense no ar e a imaginação do leitor fluir. O personagem "desconhecido" do conto me chamou muito a atenção e o ambiente sombrio, também. Gostei muito da "descrição sangrenta", aliás. Ponto positivo!

Chuva Ácida – Lorena de Carvalho Oliveira

Olha, meu conto. Ponto.

Querem saber a verdade? É longo, estranho e totalmente irrealista, mas fazer o quê? Garret estava cutucando pra sair aqui de dentro da cabeça, então tive que colocá-lo no papel. Achei que, como fiz muitos cortes para ele entrar para a edição, ficou faltando aquele "algo mais". A história original tinha mais de 40 páginas escritas, e tive que cortá-la muito pra caber. Mas, todavia, entretanto, consegui fechá-la e atar todos os nós (ou não). Sei que muita gente vai dar chilique pela cena de estupro, pelas coisas que ficaram no ar, mas é isso aí. Recebi alguns elogios sobre o conto já, mas não estava esperando. Então obrigada aos leitores de cabeça aberta. E longa vida ao Túrin! (??)

Clausura – Mauricio Lopes Junior
Gostei da ideia. Só. Não é uma coisa que eu, particularmente, gostaria de tratar. É clichê, mas não do "tipo de clichê" que eu gosto. É clichê demais que chega a ser, não sei, piegas. Sabe?

Mas há coisa boa no conto.
Ele foi muito bem escrito, mesmo. Cada frase faz a leitura ficar muito gostosa. Adorei a situação artística envolvente, todas as escolhas de palavras, tudo, tudo. Só não gostei... bom, do autor ter usado todo o seu talento para um conto bem, digamos, "normal".

Deve ser questão de gosto meu mesmo, vai saber.

Sai do Banheiro! – Amanda MarchioretoAchei a ideia legal e, até certo ponto, bem original.
Senti que faltou um certo suspense no começo para esconder a identidade do narrador - coisa que eu teria adorado, aliás -, mas, de novo, às vezes é questão de gosto. Gosto de coisas que nos desafiam a pensar até ficar com dor de cabeça, o que não aconteceu.
Mas gostei da ideia sim, e gostei do ambiente. Só quem me conhece sabe o quanto adoro contos/filmes/livros/whatever ambientados em escolas. Porééém, não gostei do final. Achei que deixou a desejar, mas foi, de todo modo, bem realista (na medida do possível).

Companheiros de Armas – Osíris Reis
Como estou naquela fase "sci-fi" da vida (?), procurando desenvolver a minha série "Galáxias", esse conto me mostrou outra perspectiva do universo que até então eu estava ignorando: as outras raças, as "não-humanas". Gostei bastante do enredo, da ideia em geral e da escrita. Fiquei imaginando o trabalho de construção do cenário, do fundo, de tudo, e minha cabeça chegou a doer. (E isso é uma coisa boa, ok?)

Não gostei do desenvolvimento do meio pro final. Achei que perdeu o propósito das indagações que o humano faz para a... líder/mãe? Deu a entender que, mesmo depois de ter explicado tudo pra ele, ele não conseguiu assimilar a ideia. O que, na verdade, é exatamente o que fazemos como seres humanos: "eu entendo, mas não aceito, pra mim não adianta tentar". E, mais uma vez, é uma questão de gosto. Eu faria o final diferente, mas mesmo assim o humano sofreria. Talvez até mais. Risos.




Então, de modo geral, a reunião de escritos serviu ao seu propósito, afinal, de nos presentear com a diversidade que há na literatura nacional!



Que venham os dois últimos volumes da coletânea que, aliás, estão com as inscrições abertas!

Participem!

Ignorem minha cara.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...