Dicas de Escrita e Leitura Crítica

3:44 PM Lorena Miyuki 0 Comentários

Índice dos posts já publicados sobre dicas de escrita e artigos anexos:



Sobre o serviço de leitura crítica:

Como assim?

Eu já dou muitas dicas de escrita aqui, pra quem ainda não sabe. Elas são de graça mesmo, porque eu gosto de ajudar quem se dedica à ~arte das palavras~, sabe? É um prazer enorme ver gente crescendo nesse ramo, principalmente quando é alguém próximo ou que eu ajudei, de alguma forma.


A crítica literária faz uma revisão geral do que o escritor quer que a gente dê uma olhada. É isso o que um crítico avalia: a CONSTRUÇÃO do texto, não o TEMA, ou o autor ou qualquer outra coisa, mas a forma como a trama é construída. Isso inclui, eventualmente, também falar de grafia, gramática, essas coisas, mas não é exatamente o foco. Sempre colocamos os pontos positivos e negativos, sem deixar de lado os problemas a serem tratados ou os aspectos a serem melhorados.

O serviço de leitor crítico é mais completo e minucioso. Ele implica um compromisso sério com o autor, já que, além de tudo, envolve sim um custo financeiro.

Como funciona o leitor crítico?

Você tem um texto completo? Um romance, uma obra, um artigo, um conto, qualquer coisa finalizada (ou em fase de finalização), e quer saber como ficou? É pra isso que a gente serve.
O leitor crítico se atenta, além da construção geral do texto, aos seguintes critérios:

Coesão e coerência: na linguística, coesão diz respeito à utilização correta dos aspectos lexicais, semânticos, morfológicos, sintáticos etc., fazendo com que um texto se apresente de forma clara. Em outras palavras, é a coerência de pensamento; fundamento que dá sentido a uma obra: qualidade de uma coisa cujas partes estão todas ligadas entre si. Ou seja, o texto não pode se contradizer. Ele tem que seguir em linha reta. Muitas vezes, na hora de escrever, essa linearidade se perde pelo volume de informação que colocamos na trama e que estão girando na nossa cabeça. É nosso papel verificar se o começo, o meio e o fim "casam" entre si, e se o pano de fundo dá certa "realidade" ao texto. Por exemplo, não basta dizer que seu personagem é um cowboy do espaço se ele mora debaixo de um viaduto e trabalha no açougue. 

Clareza da narrativa: ser claro é ser inteligível; fácil de ser compreendido ou entendido; compreensível. Não que palavras floreadas ou mais rebuscadas não sejam apreciadas, mas o excesso pode fazer o texto ser "deixado de lado". Ninguém quer entrar pra lista dos "abandonados", né? Além disso, o uso demasiado de palavras que não são de conhecimento e utilização (contínua) do autor pode gerar ambiguidade, confusão (no leitor e no autor), e deixar a narrativa enfadonha. É nosso papel apontar esse detalhe.

Ritmo: cadência, compasso: ritmo poético. A palavra vem do grego rhythmos, que significa movimento compassado. Isso se refere ao tempo em que as coisas acontecem dentro do enredo - se são rápidas demais, ou lentas demais. Ao escrever, muitas vezes damos atenção a uma parte específica da narrativa por diversos motivos - por gostarmos da cena, dos personagens, ou justamente o contrário, "picotando" o texto porque não queremos dar mais atenção a esse ou aquele detalhe. É nosso papel identificar se elementos do texto ocupam mais espaço, ou menos, do que o necessário. Afinal, você pode gastar três capítulos descrevendo uma luta, mas ela é realmente necessária?

Correção gramatical e ortográfica: Com anos e anos de experiência, um dicionário do lado e uma gramática, temos uma certa autoridade pra falar o que é certo, o que é errado e o que é facultativo. Esse item versa sobre a pontuação e ortografia mesmo, as duas coisas são mais fáceis de serem identificadas num texto.

Diagramação: caso você já tenha essa parte pronta, podemos avaliá-lá também. O projeto gráfico, no caso de um livro físico, é muito importante para atrair e "segurar" um leitor. Margens ruins, espaçamento equivocado, desenhos demais, ou de menos, tudo isso contribui para uma experiência saudável de leitura.

Aspecto geral da obra: enfim, nosso trabalho é evidenciar o que está bom, o que precisa ser mudado e o que você pode esperar de leitores que vão sim criticar a sua obra, pra que você não faça como o Richard Brittain ali do texto.

Em suma...

O nosso serviço de leitor crítico terá obrigações com o escritor: mostrar furos na história, cuidar de pontos de vista, tempo das cenas, lugar...algo próximo ao que um assistente de redação de novelas faz: um retrato da cena para que a seguinte tenha continuidade e coerência nos mínimos detalhes.
O leitor crítico faz retratos fiéis de cada cena da história, e cuida da sequência e coerência da mesma, além de ajudar na composição escrita (gramática e ortografia) da obra, porém com a ciência de que ele não será um revisor ortográfico - este serviço também pode estar incluso

Como faço para contratar? Ou pra saber mais detalhes?

Simples, basta mandar um e-mail pra gente especificando o que você quer e o que você já tem - se é um artigo, um conto, um livro completo, etc. Quanto mais informações, melhor - número de páginas, palavras, tema, título, sinopse, etc.
Responderemos com a nossa possibilidade e expectativa de leitura - afinal, não somos robôs e não conseguimos ler uma coisa da noite pro dia, se você precisa de algo urgente - e com o valor do serviço, ok?
Fique a vontade para nos pedir nosso currículo também, ou verificar o grupo para ver uma demonstração do nosso trabalho. Fazemos críticas iniciais por lá sempre que temos tempo, ou que alguém nos pede!

Os contatos serão feitos todos por e-mail mesmo. Qualquer dúvida, não deixem de nos escrever também. E-mail: contato.leituracritica@gmail.com

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...